domingo, 21 de março de 2010

CAROLINA


Me ponho a dormir
Pra que te resolvas a vida.
Acorde-me só
Quando souber de ti.


Por aqui,
Em cada canto e em todo o caso,
Os enfadonhos dias de Carolina
Já cansaram de se repetir.

Ouça os poetas,
Músicos de viola e tinteiro.
Escute-os traduzir em verso
Aquela mulher, o teu corpo inteiro.

Decifrando-te os dedos,
Joelhos, os lábios
E o peito nu

Querem saber se é Carolina
A que carrega nos olhos
Todo ele...
Aquele mar de Capitu.